quarta-feira, 4 de novembro de 2015




Vivemos momentos de expectativa e de esperança e, em momentos como estes, devemos saber interpretá-los e correr riscos. Ouvi muitas pessoas antes de tomar esta decisão.

Candidato-me para somar. Somar novas forças às outras forças, porque todas são necessárias. Para que este país de nova esperança não volte para trás. Porque o futuro pode ser agora, convido-vos para o lançamento da minha candidatura às Eleições Presidenciais de 2016. Conto convosco dia 7 de Novembro no Teatro Thalia pelas 16h.
Marisa Matias

+ INFO: https://www.facebook.com/events/445753168959685/ 


terça-feira, 20 de maio de 2014

A GOVERNAÇÃO TÓXICA, EM PORTUGAL E NA EUROPA

Já não restam quaisquer dúvidas, se ainda existissem, da farsa em que consiste a crise austeritária europeia, nem das suas consequências trágicas para os povos europeus, em especial para os países do sul onde nos incluímos.

A entrevista recente do economista Philippe Legrain (jornal Público de 11/05/2014), ex-conselheiro de Durão Barroso e liberal convicto, afirma categoricamente que a origem da crise da dívida está na dívida privada acumulada pelos bancos, ou seja, as “ajudas” a Portugal e à Grécia foram na prática resgates aos bancos alemães. Legrain acusa os governos e as instituições europeias de terem posto os interesses dos bancos à frente dos cidadãos. Afirma e explica que os resgates aos Estados foram resultado do lobby dos bancos alemães e franceses que estavam demasiado expostos à dívida pública daqueles países e queriam evitar qualquer tipo de reestruturação que lhes imputasse perdas, deste modo, as instituições públicas europeias funcionaram como instrumentos para os credores imporem a sua vontade aos devedores. 

segunda-feira, 19 de maio de 2014

sábado, 10 de maio de 2014

Eleições Europeias 2014








Jornal de campanha - Maio 2014 PDF Imprimir e-mail
 
Jornal gratuito - Ler em pdf O jornal de campanha do Bloco para as Europeias será distribuído em Maio em todo o país. Contém as propostas, os candidatos e os apoiantes de uma lista que pretende derrotar o bloco central e o seu Tratado Orçamental que condena Portugal à austeridade perpétua. Ler jornal. 


“De pé, povos da Europa” PDF Imprimir e-mail
28-Abr-2014
Foto Paulete MatosDurante um comício organizado pelo Partido da Esquerda Europeia, com o apoio do Bloco de Esquerda, Marisa Matias afirmou que "precisamos de um Abril nas eleições de Maio". A iniciativa, que encheu por completo o Cinema Batalha, no Porto, contou também com a participação da coordenadora do Bloco, Catarina Martins, e de Alexis Tsipras. O líder da Syriza, e candidato à presidência da Comissão Europeia, defendeu que "é urgente fazer recuar o partido da senhora Merkel para recuperarmos a Europa". Ler mais.
 
Vídeos e fotos do comício da Esquerda Europeia no cinema Batalha PDF Imprimir e-mail
28-Abr-2014
Alexis Tsipras e Marisa Matias no Porto. Foto Paulete MatosO Cinema Batalha, no Porto, encheu para ouvir Marisa Matias, Catarina Martins e Alexis Tsipras no comício da Esquerda Europeia para as eleições de 25 de Maio. A iniciativa contou com a participação musical de Uxía e Fred Martins e declamação de poesia por António Capelo.
Ler mais...
 
Primeiros apoiantes da lista do Bloco às Europeias PDF Imprimir e-mail
14-Abr-2014
Clique para aumentar Entre os apoiantes da lista encabeçada por Marisa Matias estão Pilar del Rio, Alfredo Barroso, Margarida Gil, Boaventura Sousa Santos, Fernando Tordo. Mário Tomé, militar de Abril, é o mandatário nacional. Destacam-se nomes da literatura: Afonso Cruz, Richard Zimler, Hélia Correia, Luísa Costa Gomes, José Luís Peixoto e Filomena Marona Beja. Ver lista completa dos primeiros apoiantes.








terça-feira, 18 de março de 2014

Petição e Debate

PETIÇÃO PÚBLICA

 (a recolha de assinaturas será realizada no dia 22 de Março - a partir das 9h30 no Mercado Municipal de Torres Vedras)

Pela implementação do Orçamento Participativo em Torres Vedras !


Considerando que o Orçamento Participativo é um mecanismo popular que permite o desenvolvimento de uma democracia mais participativa e simultaneamente uma forma dos cidadãos decidirem, através das suas ideias e projetos, o investimento de uma pequena parte do orçamento da Câmara Municipal.

Considerando que o Orçamento Participativo é um dispositivo criado para permitir aos cidadãos:

1. Exercer o direito de participarem, de forma ativa e direta, nas decisões que dizem respeito ao investimento público no no seu município;

2. Cumprir o dever de contribuir, de forma ativa, consciente e construtiva, nas decisões que melhor servirão o concelho e a sua população.

Considerando que na realidade portuguesa existem já inúmeras autarquias (Câmaras Municipais e Juntas de Freguesia) que implementaram com sucesso o Orçamento Participativo: Carnide, Aveiro, Guimarães, Beja, Odivelas e Lisboa, São Brás de Alportel, entre outras.

A coordenadora concelhia do Bloco de Esquerda de Torres Vedras conjuntamente com os abaixo assinados, eleitores no município de Torres Vedras, vêm requerer à Assembleia Municipal de Torres Vedras e à Câmara Municipal de Torres Vedras, a realização das medidas necessárias ao debate público visando a implementação efetiva do Orçamento Participativo no município de Torres Vedras, com a maior brevidade possível.

segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

Orçamento Participativo em Torres Vedras. Uma necessidade, um desafio!








 No âmbito das propostas apresentadas no programa eleitoral autárquico de 2013, a Concelhia do Bloco de Esquerda de Torres Vedras inicia agora uma campanha pela implementação do Orçamento Participativo em Torres Vedras.

A primeira experiência de Orçamento Participativo (OP) surgiu em Porto Alegre, Brasil, no ano de 1989, e tem atualmente uma ampla aplicação mundial. O Orçamento Participativo é um mecanismo popular que permite o desenvolvimento de uma democracia mais participativa e simultaneamente uma forma dos cidadãos decidirem, através das suas ideias e projetos, o investimento de uma pequena parte do orçamento da Câmara Municipal.

Na realidade portuguesa, existem já inúmeras autarquias que o implementaram: Caldas da Rainha, Carnide, Aveiro, Guimarães, Beja, Odivelas e Lisboa, entre outras.

O Orçamento Participativo é um dispositivo criado para permitir aos cidadãos exercer um direito: o de participarem, de forma ativa e direta, nas decisões que dizem respeito ao investimento público no território em que habitam. Mas, ao mesmo tempo, reclama o cumprimento de um dever: o de contribuir, de forma ativa, consciente e construtiva, para chegar às decisões que melhor servirão o território e a sua população.

O mecanismo é simples, e funciona genericamente do seguinte modo: através da dotação anual de uma verba do orçamento municipal, é posteriormente aberta uma fase de apresentação de projetos devidamente fundamentados pelos cidadãos individual ou coletivamente. Num período seguinte é feita uma seleção, segundo critérios transparentes e públicos, de projetos que são propostos a votação; sendo finalmente os projetos eleitos dotados do respetivo financiamento para a sua concretização.

A aplicação deste mecanismo permite uma abertura de poder e partilha de tomada decisão sobre os investimentos a serem realizados a bem da comunidade local. Apesar da legítima representação atribuída ao executivo camarário para decidir sobre quais as prioridades para Torres Vedras, a implementação desta medida dá voz a todos os torrienses que melhor que ninguém sabem quais as necessidades concretas e os problemas que os afetam.

Existem múltiplos benefícios inerentes ao orçamento participativo, nomeadamente a promoção do diálogo e justiça social, o estímulo dos cidadãos a participarem nas decisões públicas, passando a ser intervenientes na vida coletiva, para além da possibilidade de realização dos seus legítimos anseios.

Este mecanismo de participação deveria ser rapidamente discutido no nosso concelho e é esse o compromisso que aqui fazemos. Pretendemos que os cidadãos de Torres Vedras tenham a mesma possibilidade e direitos que os das Caldas da Rainha, Aveiro ou Lisboa.

Não vemos pois entraves ou aspetos negativos que levem à rejeição por parte da Câmara Municipal deste desafio moderno e democrático. Enquanto força política preocupada com a qualidade e intensidade da democracia, o Bloco de Esquerda tudo fará para que o Orçamento Participativo seja uma realidade no nosso concelho e permita a máxima participação transparente e eficaz dos cidadãos, a bem da democracia local e da salvaguarda do bem comum.

+ informação: Orçamento Participativo Portugal

sábado, 26 de outubro de 2013

Por um serviço Público de qualidade. Não à privatização dos CTT !



No passado dia 25 de Outubro elementos da Concelhia do Bloco de Esquerda de Torres Vedras estiveram junto dos trabalhadores dos Correios de Torres Vedras, que decidiram aderir à Greve dos funcionários dos CTT a nível nacional, com a duração de 24h, iniciando-se a quinzena de luta dos sectores dos transportes e telecomunicações.

O Bloco de Esquerda não poderia deixar de estar ao lado dos trabalhadores dos CTT de Torres Vedras, bem como das suas preocupações e reivindicações. O que está a em causa é o início do processo de privatização deste serviço público com a agenda marcada já para o mês de Dezembro. 
 
Este Governo insiste em privatizar uma empresa pública que não tem prejuízos financeiros e não apresenta justificações válidas para tal decisão, levando a acreditar que esta decisão baseia-se meramente em princípios ideológicos, tal como acontece com o desmantelamento de serviços públicos de qualidade e sua transferência para o sector privado. Como exemplo, uma das injustiças afetas a esta transferência será a passagem dos reformados para o sistema de saúde da função pública.
Esta greve também serviu para contestar as medidas anunciadas no Orçamento de Estado para 2014 e na nova lei das empresas públicas, como a redução de funcionários e os cortes salariais.

Para reforçar o nosso apoio na defesa deste serviço público foi colocada uma faixa em frente da estação dos CTT de Torres Vedras com os dizeres “Por um serviço Público de qualidade. Não à privatização dos CTT”. A mesma tem como objetivo, demonstrar a todos os clientes desta empresa e demais cidadãos torrienses que é fundamental apoiar esta luta, pois com o avanço deste processo de privatização ficaremos todos a perder um serviço de qualidade. Com a gestão privada corre-se o risco que a ânsia do lucro prevaleça sobre o serviço de proximidade e apoio das populações como tem sido realizado de forma meritória até ao momento.

O apoio dado aos trabalhadores dos CTT e à defesa dos serviços públicos, contra os interesses das multinacionais que se aproveitam da miséria dos povos para enriquecer ainda mais, insere-se nos compromissos apresentados no programa eleitoral autárquico e serão levados avante independentemente dos resultados eleitorais obtidos.

A Coordenadora da Concelhia do Bloco de Esquerda de Torres Vedras.



segunda-feira, 30 de setembro de 2013

Resultados Eleitorais - Autárquicas 2013 - Torres Vedras





Nestas primeiras eleições autárquicas a que nos candidatamos não conseguimos atingir o objectivo eleitoral que nos propusemos, o de eleger um mandato para a assembleia municipal. Contudo, congratulamo-nos com a obtenção de 910 votos de cidadãos torrienses, o que merece da nossa parte um reforçado compromisso na intervenção política local e a maior consideração pela confiança depositada.

A abstenção de 49,13 % em Torres Vedras (acima da média nacional) é de facto um sintoma muito preocupante da ainda fraca participação cívica e política na vida pública. Apesar da compreensível desmotivação dos cidadãos perante o actual panorama social e económico em Portugal, as transformações e a melhoria das condições de vida não se alcançam pela demissão dos direitos e deveres cívicos, sociais e políticos. Antes pelo contrário, só com um maior debate de ideias e propostas e ampla participação na vida pública poderemos desejar resolver os nossos problemas colectivos.

Felicitamos todos os partidos políticos e grupos de cidadãos candidatos nestas eleições, pois a diversidade de ideias e propostas é sempre um contributo positivo para a democracia local.

Endereçamos especialmente as melhores felicitações e votos de um excelente mandato autárquico aos camaradas da CDU eleitos para a Assembleia Municipal, Assembleias de Freguesia e ao Sérgio Cipriano eleito vereador. 

Desejamos boa sorte ao executivo eleito pelo PS com maioria absoluta, designadamente ao Dr. Carlos Miguel, e a realização de um mandato capaz de anular a dívida da autarquia (cerca de 40 milhões de euros) e uma governança local baseada na boa gestão dos bens públicos. 

Da nossa parte iremos continuar a desenvolver as nossas propostas e ideias políticas para Torres Vedras, insistindo na necessidade de (RE)ACTIVAR A CIDADANIA e INTENSIFICAR A DEMOCRACIA!

Saudações democráticas e até breve !